04/06/2018 LIVRE PARA VOAR

Segunda-feira, 4 de Junho  de 2018             

 

2Pe 1, 2-7                                                       Sl 91, 1-2; 14-16                               Mc 12, 1-12

 

LIVRE PARA VOAR

 

"Tendes entrado na posse das maiores e mais preciosas promessas, a fim de tornar-vos por este meio participantes da natureza divina, subtraindo-vos à corrupção da luxuria que a concupiscência gerou no mundo.”  (2Pe 1,4)

 

Quando entregamos as nossas vidas a Jesus, fugimos de um mundo corrompido pela luxúria - concupiscência da carne, concupiscência dos olhos (1Jo 2, 16) e desejo sexual (Ef 5, 5; Col 3, 5), poder, prazer, etc. Embora nossas luxúrias sejam fortes, somos infelizes quando cedemos a elas, pois elas tendem a nos tornar animais e a nos desumanizar. Se formos até um pouco honestos, devemos admitir que as nossas luxúrias nos motivam a tratar as pessoas como objetos a serem manipuladas e escravizadas para a nossa gratificação. Há algo doente e pervertido em nossas luxúrias. Por isso, nos alegramos que em Jesus podemos fugir de "um mundo corrompido pela luxúria" (2Pe 1, 4).

 

O Senhor chama algumas pessoas para fugirem de um mundo lascivo sendo monges, virgens consagradas, freiras ou irmãos religiosos. Essas pessoas são como Jesus, “sinais de contradição” (Lc 2, 34). No entanto, o Senhor chama a maioria das pessoas para estarem no mundo, mas não a serem dele - para viver no mundo, mas fugindo das suas luxúrias. Enquanto estão sendo crucificados para o mundo e o mundo para eles (Gl 6,14), eles vivem no mundo. E como consequência disso o mundo os odeia (Jo 17,14) por sua retidão e pureza no meio dealuxúria (SI 2, 12; 16).

 

Regozije-se de todos os modos, pois você é livre para fugir "um mundo corrompido pela luxúria" (2Pe 1,4).

 

Oração: Pai, abre os meus olhos para a escravidão desumana da vida de luxúria.

Promessa:A pedra rejeitada pelos construtores se tornou a pedra angular da sua estrutura. Foi o Senhor quem fez isso e achamos maravilhoso contemplá-lo.” (Mc 12, 10-11; Sl 118, 22 ss)

Louvor: Timóteo agradece diariamente a Deus pela sua sobriedade. Ele nunca se esquece que o Senhor lhe deu a graça de parar de beber.