16/02/2018 FESTEJANDO O AMOR E FESTEJANDO O JEJUM

Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2018                                                                                                              

 Is 58, 1-9a                     Sl 51, 3-6; 18-19                 Mt 9, 14-15

 FESTEJANDO O AMOR E FESTEJANDO O JEJUM

 “"Jesus respondeu: ‘Podem os amigos do esposo afligir-se enquanto o esposo está com eles? Dias virão em que lhes será tirado o esposo. Então eles jejuarão’" (Mt 9,15)

 De acordo com a tradição judaica, Jesus associou jejum com o luto. Não estando de acordo com nenhuma tradição, Jesus ensinou que seu jejum deveria ser precedido por um banquete de casamento. Em algumas culturas, as pessoas jejuam antes de um casamento e de um banquete de casamento, mas não conheço nenhuma cultura onde as pessoas jejuem depois de um banquete de casamento. Jesus mostra que o jejum em Seu reino não é precedido apenas pela tristeza do pecado, mas ocorre também pela plenitude de comunhão com Ele e o Seu corpo, a Igreja. Na maneira de jejuar de Jesus, estamos tentando não só impedir o pecado que leva a mais pecados, mas também passar do banquete terreno de casamento para o grande banquete no céu (Ap 19, 9).

 

Portanto, jejue depois e para um banquete de casamento. Jejue para um banquete de Aliança - por amor a Jesus - o Noivo (Mt 9,15), de modo a "compreender plenamente, com todos os santos, a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do amor de Cristo, e experimentar esse amor que ultrapassa todo o entendimento , para que você possa alcançar a plenitude do mesmo em Deus." (Ef 3, 18-19). Quando você pensar em "jejum", não pense em "comida", mas em "plenitude" e "amor".

 

Na Igreja Católica, hoje é um dia mundial de abster-se de comer carne. Mas vamos além da letra da lei (2Cor 3, 6). Não se abstenha apenas de comer carne, mas jejue de outras maneiras e nos outros dias da Quaresma. Comece o jejum da Quaresma em plenitude e amor.

 

Oração: Pai, eu te amo mais do que a comida e a vida (Sl 63, 4).

Promessa: "Este, sim, é o jejum que eu desejo: liberando aqueles aprisionados injustamente, liberando as correntes do jugo; libertando os oprimidos, e quebrando todo jugo." (Is 58, 6)

Louvor: Manter a velha tradição de jejum a partir da meia-noite antes do domingo até à Missa de Domingo ajuda Pedro a lembrar o presente maravilhoso que é a Eucaristia.