06/01/2018 A MISÉRIA DO NATAL

Sábado, 06 de janeiro de 2018                                                                                                              

1Jo 5,5-13                           Sl 147,12-15.19.20                           Mc 1,7-11

                                                               A MISÉRIA DO NATAL

E o testemunho é este: Deus nos deu a vida eterna e esta vida está em seu Filho.” (1Jo 5,11)

 

Perguntamos a qualquer pessoa se ela teve um bom feriado e uma celebração do Natal, e todos dizem “Ótimo”. Porém por trás daqueles sorrisos tristes e nas entrelinhas de nossa rápida conversa, podemos sentir uma grande mágoa, uma forte depressão, um pecado sem arrependimento, e uma escravidão devastadora. Casamentos são destruídos; amargura e ressentimento envenenam a vida familiar; corações são partidos pela rejeição. Alguns pranteiam a morte ou a perda de entes queridos. Alguns perderam contato com Deus por causa do pecado e do egoísmo. Muitos tiveram um Natal terrível.

 

Você não precisa sorrir vagamente e falar a Jesus sobre seu bom Natal. Ele vê seu pecado, sua dor e suas feridas. Caia por terra diante do Menino Jesus e diga à Ele: “... Senhor, se queres, tens poder para purificar-me.” (Lc 5,12). Jesus estenderá a Sua mão, tocará em você, e dirá: “... Eu quero. Sê purificado! ...” (Lc 5,13). Jesus deseja um Natal para nós. Ele deseja vida, arrependimento, e cura. Ele deseja a salvação para nós. Lembre-se dos trabalhadores da vinha que receberam o pagamento de um dia de trabalho apesar de contratados na última hora (Mt 20,9). Jesus quer dar a você a plenitude do Natal, não importa o que tenha acontecido e quão tarde seja. “Eu vos escrevi tudo isto a vós que credes no nome do Filho de Deus, para saberdes que tendes a vida eterna.” (1Jo 5,13)

 

Oração: Pai, não pela minha força, não pelo meu poder, mas por Teu Espírito, eu viverei o Natal.

Promessa:Quem é o vencedor do mundo, se não aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (1Jo 5,5)

Louvor: Santo André Bessette (EUA) foi rejeitado como candidato pelos Irmãos da Santa Cruz ao final de seu noviciado. Apesar disso, perseverou e muitas pessoas vieram à ele para obter uma direção espiritual e a cura.