15/11/2017 UM RELACIONAMENTO DE AMOR E ÓDIO - SANTO ALBERTO MAGNO

Quarta-feira, 15 de novembro de 2017 - Santo Alberto Magno

                                  

Sb 6,1-11                  Sl 82,3.4.6.7             Lc 17,11-19

 

                                    UM RELACIONAMENTO DE AMOR E ÓDIO

 

e lançou-se aos pés de Jesus com o rosto por terra, agradecendo-lhe. Pois bem, era um samaritano.” (Lc 17,16)

 

... Como, sendo judeu, tu me pedes de beber, a mim que sou samaritana?” (Jo 4,9). Os judeus e os samaritanos tinham uma longa história como inimigos. Apesar disso, Jesus falou com a mulher samaritana e trouxe a salvação até ela (Jo 4,42). Isso surpreendeu tanto a mulher samaritana (Jo 4, 9) quanto aos Seus discípulos (Jo 4, 27). Jesus também fez da samaritana a heroína de Sua história sobre a compaixão para com os seus semelhantes (Lc 10, 33). Depois Jesus indicou que o leproso samaritano havia sido o único dos dez que haviam sido curados que tinha retornado para agradecer-Lhe (Lc 17, 16-18). Assim como à mulher samaritana, Jesus trouxe a salvação a este samaritano agradecido (Lc 17,19). Imediatamente antes da ascensão de Jesus, Ele prometeu nos conceder o Espírito Santo de modo que nós pudéssemos ser Suas “... testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e a Samaria, e até os confins da terra.” (At 1,8). Essa promessa foi cumprida quando Filipe “... tendo descido a uma cidade da Samaria, a eles proclamava-lhes o Cristo.” (At 8,5)

 

Jesus amou e ama os samaritanos. Jesus proclama abertamente o Seu amor por nossos inimigos de longa data – por aqueles para quem é politicamente correto difamar e demonizar. Jesus ama aqueles a quem não torna popular quem ama. Por Seu amor por aqueles inimigos a quem nós concordamos que devam ser odiados, Jesus coloca a Si mesmo como sendo impopular, perseguido, e odiado.

 

Jesus nos convida a amar como Ele ama. Desse modo, ame os seus samaritanos e espere ser odiado por seu amor, assim como Jesus o foi e é.

 

Oração: Jesus, que eu possa amar como Tu amas.

Promessa:Ao pequeno, por piedade, se perdoa, mas os poderosos serão provados com rigor.” (Sb 6,6)

Louvor: Santo Alberto provou que não existe conflito entre a ciência e a religião. Ele ensinou que a Eucaristia “é da maior utilidade porque ela concede a nós, nesta vida, a plenitude da graça”.