08/11/2017 EM DEUS OU EM DÉBITO?

Quarta-feira, 08 de novembro de 2017                                                                                                                                            

Rm 13, 8-10                         Sl 112, 1.2.4.5.9                         Lc 14,25-33

 

                                               EM DEUS OU EM DÉBITO?

 

Não devais a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o outro cumpriu a Lei.” (Rm 13, 8)

 

Muitos cristãos do mundo ocidental estão em débito. Eles devem parte do valor das suas casas, carros, e é claro, cartões de crédito. Consequentemente, eles parecem estar desobedecendo à determinação do Senhor de não dever nada a ninguém. Algumas pessoas tentam racionalizar isso dizendo que muitas outras pessoas estão em débito – até mesmo cristãos e igrejas. Contudo, não é porque a desobediência é generalizada que desobediência deixa de ser desobediência. Alguns dizem que nós devemos tomar o que está escrito em (Rm 13, 8) literalmente, mas num certo contexto. No entanto, o contexto imediato de (Rm 13, 8) é aplicado literalmente quando relacionado ao pagamento de impostos (Rm 13, 7) e quanto ao furto e à cobiça (Rm 13, 9). Outro argumento é que o Senhor permite empréstimos no Antigo Testamento e, dessa forma, débitos (Eclo 29, 1-2). Contudo, o Senhor no Sermão da Montanha declara: “... emprestai sem esperar coisa alguma em troca ...” (Lc 6, 35)

 

Muitas pessoas simplesmente esquecerão este assunto e continuarão assumindo débitos. No entanto, Jesus nos orienta a voltarmos nossas costas, até mesmo a odiar, a nós mesmos (Lc 14, 26). Nós precisamos deixar que Jesus de modo radical, e até mesmo violento (Mt 11, 12), reoriente as nossas vidas. De outro modo, nós iremos violentar a Sua Palavra distorcendo, comprometendo, e sendo desobedecendo a Ela.

 

Nós vivemos a vida em Cristo quando fazemos o que Jesus quer, não importando o que queremos ou o que nossa cultura da morte promove.

 

Oração: Pai, eu aceito o Teu desafio de me sobrepor ao meu egoísmo e condicionamento cultural.

Promessa:Igualmente, portanto, qualquer de vós, que não renunciar a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo.” (Lc 14, 33)

Louvor: Roberto e Silvia se arrependeram de ter feito uso do controle da natalidade. Quando esvaziaram a si mesmos do orgulho, Jesus encheu a sua casa com o som do riso dos quatro filhos com que Deus os havia abençoado.